sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

leve matéria

a lógica da flutuabilidade, questão-chave para todo mergulhador, aplica-se perfeitamente à vida: se você estiver negativo, vai pro fundo; se estiver positivo, vai pra superfície. se quiser ter controle de onde ficar, encontre o seu equilíbrio e viva plenamente a ausência da gravidade.

domingo, 27 de dezembro de 2015

Suspiro

A vida requer cada suspiro.

Andando

Ando sem pernas, sem braços, sem membros
Ando aos pedaços, desapegando dos apegos
Ando fazendo apelos aos anjos e deuses
Ando dizendo adeus mais vezes do que imaginei
Ando imaginando coisas, comendo letras,
Dormindo pouco, vendo muitos filmes,
pouca gente, lendo livros aos pedaços.
Ando aos pedaços tentando separar as partes
Ando debaixo de polegares pesados de som
Ando coberta de ondas que surfo ardentes
Ando sem dar ouvidos à razão
Ando dando rasantes
Ando rente ao tempo
Ando em frente
Ando sem parar
Ando sem perder
E quando paro
É só para pensar
No próximo passo.

[11/3/2015]

Continue a nadar

Um dia durante um mergulho tive uma crise de pânico.
Tive certeza que ia morrer.
Naquele milésimo de segundo pensei - odeio isso!
Mas sobrevivi e continuei nadando.

Palavras doentes

Contaminei todos os meus cadernos
Tentando matar a lembrança
Das palavras lutando dentro de mim
Numa guerra estúpida e silenciosa
Desafiando qualquer sentido ou glória
Palavras moribundas, sujas e mudas
Palavras caladas, caídas, doentes
Palavras sem gravidade
Palavras cadentes

Poeminha ordinário

De todos os poeminhas que já escrevi
Este deve ser o mais ordinário
Um momento furtado
Um instante perdido
Deslumbrado
E tentando ser esquecido

Guerra de nervos

A saudade bateu na boca do meu estômago como se fosse uma faca afiada. Pude sentir o gosto de ferro e ferrugem encharcarem minha língua, escorrerem pela minha barba tingindo tudo de vermelho. Eu vivia assombrado com essas lembranças. Elas chegavam em espasmos, às vezes no meio de uma gargalhada. Minha memória agora era uma granada sem anel.